11 junho, 2007

Detalhes

A velocidade dos acontecimentos atuais é muito veloz. A mente humana não consegue acompanhar de forma satisfatória o que acontece à volta. Muitas coisas são perdidas e esquecidas por conta de vários fatores.

Quando se procura saber o porquê pelos quais se pensa em algo já acham que isso é disperdício de tempo. Não saber da preferência de cor da vestimenta e a vontade de estar perto(ou longe) da pessoa amada fazem parte dos pequenos detalhes, que muitas vezes são imperceptíveis pra quem não dá valor a esses detalhes.

O óbvio dos indivíduos está muito bem marcado nas relações. No segundo encontro com a pessoa recém conhecida pode-se esperar uma seqüência de comportamentos e linguagens. O direto, o clichê e o palpável não dão mais espaço a criatividade. Quando se tenta fugir do óbvio, usando linguagens diferentes, palavras incomuns ao dia-a-dia, tentando modificar scripts as pessoas não costumam entendem nada do que tentamos criar e modificar. A mente preguiçosa prefere seguir a rotina dos scripts previamente planejados do a seguir por caminhos que podem ser desconhecidos e fabulosos. Detalhes expostos na busca da mudança de contextos e rotinas fazem a diferença contra a obviedade que não deixa as pessoas entenderem as coisas bonitas da vida -até então desconhecidas-.

Os sentimentos começam a ser fundados de pequenos gestos. No início das relações estes detalhes são melhores percebidos. Eles são exaltados devido à curiosidade de querer saber mais sobre o outro. A relação não é óbvia, ela é nova e cheia de novos detalhes ainda recém conhecidos. Ainda existe aquilo que depois se perde com o tempo; o valor dado aos pequenos detalhes bonitos e sinceros.

Os olhares se trocam agora com pouca vontade, a respiração é controlada pra não parecer tensa, vão sempre aos mesmos lugares, dão muito mais valor aos aspectos negativos do que as coisas boas vividas; o coração não mais existe. A paixão que se tinha de cada olhar, de cada carinho no cabelo, de cada abraço, de cada palavra escrita entre rimas, de cada palavra de amor foi embora e dá lugar à falta de sentimento e ao esquecimento das coisas que um dia, de certa maneira, foram importantes.

É muito mais cômodo abrir mão* dos detalhes do coração do que investir em sentimentos apostando e superando medos que nem sabem de onde vêm. Agora, além de não lembrar dos detalhes, também se esquece que eles um dia existiram e fizeram pessoas felizes.

Eu acredito que alguém nesse mundo ainda tenha um pouco de sentimento e REALMENTE enxergue e dê valor aos pequenos detalhes, que pra mim, fundam as maiores obras construídas pelo homem; as relações vividas com sinceridade e coração visando os pontos positivos vividos.
* "(...)é a solução de quem não quer perder aquilo que já tem e fecha a mão pro que há de vir"
"Sou uma pessoa boa e de coração bom
Espero que um dia alguém dê valor
A tudo aquilo que eu levo no coração"

2 comentários:

Anônimo disse...

Pequenos detalhes são tudo ^^
Quanto ao seu texto, adorei-o!
deu para refletir bastante sobre o assunto.
Não sabia que escrevia tão bem assim... quem diria hein Dr. Ivan =)

beijo :*

Sabrina*

mari disse...

prezo muito os pequenos detalhes. muito mais do que gestos grandiosos, por mais sinceros que tenham sido, no momento. oooi.